Recomendações para um melhor aprendizado da língua inglesa

Crédito da Imagem: Tim Mossholder on Unsplash

© Rubens Queiroz de Almeida

Para aprender um idioma devemos desenvolver quatro habilidades: lerescreverfalar e ouvir. Cada uma destas habilidades requer estratégias diferentes. Para o desenvolvimento destas habilidades em nosso idioma nativo, seguimos uma sequência, consistindo aproximadamente dos seguintes passos:

  1. Ouvir: este é o estágio inicial. Ao nascer, não temos nenhuma habilidade de comunicação e não entendemos quase nada dos sons que ouvimos ao nosso redor. Através dos esforços dos pais, vamos adquirindo vocabulário, e as primeiras palavras que falamos muito provavelmente são mamãe e papai, e isto se deve aos esforços incansáveis dos pais.
  2. Falar: Em geral, algumas crianças até começam a falar antes de 1 ano de idade, porém o mais comum é que a capacidade de expressão se dê entre um ano e um ano e meio. Aos dois anos, as crianças possuem um vocabulário básico de 50 a 100 palavras e depois disto o vocabulário aumenta exponencialmente.
  3. Ler e escrever: Em geral, somos alfabetizados em algum momento após os 6 anos de idade, quando então aprendemos a ler e escrever.

Antes de falarmos alguma coisa em nosso idioma natal, passamos um longo período apenas ouvindo e tentando obter sentido das mensagens que chegam até nós. Começamos com apenas uma ou duas palavras (papai e mamãe) e vamos construindo a partir daí.

E veja que interessante, a criança, ao conseguir se expressar de alguma forma, não cabe em si de felicidade (e os pais também). Veja a alegria de uma criança ao começar a se expressar. Ao aprender a primeira palavra, ela fica muito feliz. Não fica triste por não conhecer ainda as centenas de milhares de outras palavras que o idioma possui. Infelizmente o mesmo não ocorre com os adultos, que ficam sempre olhando para aquilo que ainda não conhecem ao invés de comemorarem as pequenas vitórias do dia a dia.

Também para aprender um idioma estrangeiro, esta estratégia pode ser aplicada. No caso específico da língua inglesa, é muito importante nos familiarizarmos com os sons do idioma, para montarmos regras subconscientes de como as palavras são pronunciadas e como as frases são estruturadas. Como adultos, nosso aprendizado pode se dar de forma mais rápida. Não precisamos descobrir o significado das palavras uma a uma, pois temos inúmeros mecanismos que podem nos auxiliar em nosso aprendizado. Já sabemos ler, podemos selecionar material para leitura que nos interesse e divirta, e muito mais, a estratégia depende da pessoa.

No portal Aprendendo Inglês grande parte do material publicado traz também o áudio dos textos. Desta forma, podemos ouvir os textos ao mesmo tempo em que nos familiarizamos com a grafia das palavras. O áudio dos textos é publicado em duas velocidades: na velocidade normal e com redução de 80% do ritmo original.

Mas porque publicar o áudio em velocidade reduzida? Não é mais conveniente que a pessoa utilize desde o começo material em velocidade natural? Afinal de contas, ao viajarmos ao exterior, ninguém conversará conosco em câmara lenta, não é?

Sim, exatamente. Porém nós sabemos também que ao estudar idiomas estrangeiros trazemos conosco diversas crenças limitantes. Desanimamos facilmente ao nos depararmos com obstáculos que julgamos (erroneamente) estarem ligados a alguma deficiência ou incapacidade de aprendizado que possuamos.

Na verdade, grande parte destas crenças limitantes, são exatamente isto: crenças. Não possuem fundamento real e são eventos perfeitamente normais no aprendizado da língua inglesa.

Voltando ao áudio em velocidade reduzida, o objetivo é principalmente evitar uma crença limitante de que não somos capazes de compreender perfeitamente o inglês falado.

Ao ouvirmos a gravação mais lenta, podemos identificar as palavras mais facilmente e nos motivar a continuar estudando. Entretanto, este recurso deve ser abandonado assim que tivermos maior confiança em nossas habilidades.

Como já somos alfabetizados, podemos combinar a audição com a leitura do texto, e gradualmente nos acostumaremos a identificar corretamente a pronúncia das palavras.

A língua inglesa tem um complicador adicional, pois a grafia das palavras pode diferir em muito de sua pronúncia. A mesma letra, dependendo da palavra, pode ser pronunciada de formas totalmente diferentes.

Este aspecto é tão complicado que países da língua inglesa têm competições em que os alunos soletram as palavras. Onde já se viu, né? 😊

Precisamos nos habituar aos sons da língua inglesa. Quanto mais exposição conseguirmos melhor. Você pode ouvir de forma passiva, quando ouve alguma coisa enquanto realiza outras atividades. E também pode ouvir de forma ativa, ouvindo e acompanhando o texto simultâneamente.

Resumo

  1. Ouça bastante, de forma ativa (ouvir e ler) ou passiva (ouvir apenas). Quanto mais ouvir melhor. Com o tempo você verá que a sua compreensão aumentará de forma surpreendente.
  2. No começo, utilize os recursos de redução de velocidade do áudio, mas com moderação. Assim que tiver mais confiança, passe a ouvir os áudios na velocidade normal. Se você for do tipo aventuroso, tente acelerar a velocidade de reprodução quando se sentir mais confiante. No Youtube você pode reduzir a velocidade com a tecla < (menor) e aumentar com a tecla > (maior). Faça uma experiência de aumentar a velocidade com um texto em português. É muito legal, inclusive é uma técnica que uso para fazer cursos online em menos tempo, geralmente eu assisto aos vídeos com uma velocidade 1.5 acima do normal.

Conclusão

Aprender idiomas não tem mistério, basta entendermos que só aprenderemos com a prática e que encontraremos obstáculos, todos eles perfeitamente normais, não tem nada errado com você. Entendeu? Repetindo, não tem nada errado com você. Basta persistir e você vai chegar lá e desfrutar de todos os benefícios que o domínio da língua inglesa vai trazer para você, tanto no campo pessoal quanto profissional.

Referência

Atrasos no desenvolvimento da fala: como notar e contornar

One thought on “Recomendações para um melhor aprendizado da língua inglesa

  • 7 de junho de 2021 em 18:49
    Permalink

    Excelente artigo. Tenho uma dificuldade imensa de entender o que é falado em inglês. Já me viro mais ou menos bem na leitura e posso escrever alguma coisa. Ouvir é o calcanhar de Aquiles. Vou praticar essas orientações. Pareceram-me muito úteis.
    Muitíssimo obrigado pelo texto.
    Sucesso sempre.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *